2013/09/05

Edfor e ALBA no Caramulo Motorfestival 2013


E continuamos a divulgar informações sobre o Caramulo Motorfestival, que se realiza este fim-de-semana:

A mítica Rampa do Caramulo, integrada no Caramulo Motorfestival, vai alinhar mais de 80 automóveis históricos, clássicos e de competição já nos dias 6 e 7 de Setembro.

O plantel, que conta com um notável crescimento de inscrições sobre 2012, vai contar com 55 automóveis na Rampa Histórica do Caramulo, nas categorias de Velocidade e de Regularidade, e 28 automóveis no Campeonato de Portugal de Montanha, que conta com mais uma prova na Serra do Caramulo. A listagem dos participantes já se encontra disponível para consulta no site do Caramulo Motorfestival em www.caramulo-motorfestival.com.
O traçado da Rampa do Caramulo tem um desenho ímpar, sinuoso e bem asfaltado, numa extensão de 2,8 Kms. Sem curvas lentas assume-se como uma rampa rápida, com duas rectas onde os automóveis podem atingir elevadas velocidades, terminando depois a prova no sopé da Serra.

Raridades Ibéricas na Rampa Histórica do Caramulo
A Rampa Histórica do Caramulo vai também contar com três automóveis cheios de história e com uma particularidade: foram produzidos em Portugal e Espanha.


Edfor (1937)
O mais antigo dos três é o Edfor, de 1937, construído por Eduardo Ferreirinha, piloto de renome, mecânico de grande talento e industrial com algum sucesso, que quis dar o primeiro passo na construção de um automóvel, denominado Edfor.
O primeiro exemplar do Edfor, que tinha uma carroçaria do tipo "Torpedo", foi solenemente apresentado no Salão do Porto, realizado em 1937 e estreou-se na competição, no Circuito de Vila Real desse ano. No total, foram apenas construídos quatro exemplares do Edfor mas hoje apenas se conhece um exemplar, do coleccionador Fenando Paulo Martins, o mesmo que irá participar na Rampa Histórica do Caramulo.


Alba (1952)
Outro automóvel de fabrico português que vai ingressar na grelha da rampa é o Alba, de 1952. O primeiro Alba foi desenhado e construído em 1952 e equipado com um motor com um motor Fiat ou Simca de 1.089 c.c. e representou um notável progresso estilístico quando comparado com os outros automóveis portugueses da época, que tinham uma estética mais arcaica.
A “jóia da coroa” dos motores Alba, porém, seria o projecto próprio, elaborado na sua metalurgia e fazendo da Alba a única marca portuguesa que verdadeiramente produziu o seu próprio motor.
Ao volante do Alba estará António Martins Pereira, neto do criador deste automóvel.

Pegaso Z-102B (1953)
Produzidos em Espanha sobe o orgulho do regime Franquista, a Pegaso fabricou um total de 84 unidades entre 1951 e 1954. O modelo Z-102B foi apresentado no Salão de Nova Iorque em 1953, com um preço de 15.000 dólares, valor superior aos Ferraris dessa altura. Possuía uma mecânica com características excepcionais, resultante da larga experiência de Ricart na competição e dispunha de um motor V8.
Este automóvel em específico foi oferecido pelo Generalíssimo Franco ao Presidente da República Craveiro Lopes quando, em Maio de 1953, este visitou oficialmente a Espanha, e faz hoje parte da colecção do Museu do Caramulo.

seja o primeiro a comentar!

Enviar um comentário