2018/10/31

Bicicleta Sóbrinca extensível - 26.ª Automobilia de Aveiro / 2018


Ter uma bicicleta que acompanha o crescimento de uma criança é uma boa ideia. Evita gastos periódicos na aquisição de uma bicicleta maior, de acordo com o desenvolvimento do ciclista.

A Sóbrinca resolveu este problema criando uma bicicleta extensível no quadro, que permitia regular a distância entre rodas, de acordo com as necessidades.

Neste exemplar que foi fotografado na 26.ª Automobilia de Aveiro / 2018 vemos que a bicicleta antiga Sóbrinca tem um selim comprido e um encosto em metal.

No quadro estava pintada de verde, com filetes a branco, tendo punhos em borracha verde, a condizer.

Os guarda-lamas e o guarda-corrente estavam pintados de branco, havendo filetes a vermelho nos guarda-lamas.

Na parte de trás do quadro, junto da zona de aperto do eixo da roda, há furações para que fossem colocadas rodas para equilibrar a bicicleta.

Continue lendo...

2018/10/30

Flandria Monomatic - Instruções de Serviço e Manual de Assistência para Ciclomotores


Só a minha falência vos salvará disto. Ainda assim acho que nem ela conseguirá por cobro a esta situação.
Sim, mais outro livro de instruções de serviço e manual de assistência para ciclomotores Flandria Monomatic que divulgamos no Rodas de Viriato.

Os ciclomotores Flandria Monomatic eram uma produção das Fábricas A. Claeys-Flandria, de Zedelgem e Zwevezele, na Bélgica e Warneton, na França.

Neste exemplar de 1966 não há referência à fábrica que se instalou em Portugal e que produziu motorizadas da marca Flandria.

No documento ainda há a carta de garantia, com o número de motor e de quadro do ciclomotor ao qual pertenceu, sinal de que não necessário usá-lo.

As diferentes marcas de veículos costumam recomendar um marca de óleo para os seus motores e aqui isso também acontece.

No caso dos ciclomotores Flandria Monomatic era recomendada a marca BP, gama Two Stroke - Um óleo novo para gente nova.

No final destas instruções de serviço e manual de assistência para ciclomotores Flandria Monomatic há referência à proporção da mistura de gasolina e de óleo a usar.

Para venda em ficheiro digital.

Continue lendo...

2018/10/29

Alfinete de lapela antigo da Onça - Braga


A Onça - João Araújo Onça e Filhos, L.da, de Braga, era uma fábrica de acessórios para automóveis, tendo também fabricado artigos sanitários metálicos.
Depois da publicação do Preçário e Catálogo n.º 12 da Onça - João Araujo Onça e Filhos, L.da surgiram alguns desenvolvimento sobre a marca. Conhecem-se imagens publicadas em calendários antigos de buzinas e de espelhos retrovisores para automóveis que eram produzidos nesta empresa.

Recentemente pudemos adquirir este alfinete de lapela antigo, que tem o emblema da marca.
O estado de conservação da pintura não é o melhor, mas conseguimos ver bem como era e as cores que tinha.

Continue lendo...

2018/10/28

Calendário de parede da Motoesa Ciclomotores de 1984


E com este calendário de parede antigo da Motoesa, do ano de 1984, terminamos a série de publicações (mais) especiais para assinalar os 12 anos de actividade do blogue Rodas de Viriato.

Olhando para a estrutura / apresentação da informação no calendário podemos conhecer melhor a gama de motorizadas que a Motoesa Ciclomotores vendia, bem como as marcas que representava.

A Motoesa apresentava de um lado dois modelos com a sua própria marca, a Motoesa modelo 220 m Sport CX, na imagem equipada com motor Sachs e de linhas desportivas.

E a Motoesa modelo 101 m 82 / 2 vel, na imagem equipada com motor Casal.

A Motoesa foi a marca que sucedeu à EFS,  e usou o (bom) nome que esta ganhou ao longo de muitos anos de produção. Por esse motivo temos na parte central deste calendário de parede referência à Distribuidora Central EFS, Lda, de Águeda.
Uma das motorizadas que comercializava era a EFS G.T. Super, na imagem com motor Sachs.

Outra motorizada era a desportiva EFS modelo Fórmula 1 Esp., também ela com motor Sachs e equipada com mini carenagem e jantes especiais.

Outra motorizada comercializada era a EFS modelo 220 m Record Tur., a típica motorizada de trabalho portuguesa, estando a da imagem equipada com motor Casal.

A Motoesa também assumiu a representação e montagem dos motores Puch, situação herdada da EFS, produzindo a Motoesa Maxi Puch, com motor automático

Foram impressos 500 exemplares deste calendário na Lito S. João L.da.

Continue lendo...

2018/10/27

Como chegar ao "Doze Dedos de Conversa" em Alcochete?


Especialmente para aqueles que vêm de mais longe, aqui ficam algumas dicas sobre como chegar ao
"Doze Dedos de Conversa", em Alcochete, para participar na comemoração dos 12 anos Rodas de Viriato.
Quem vier pela autoestrada A 33 / pela estrada IC3 / N 118 tem de sair para Alcochete e apanhar a N 119 em direcção a Alcochete.
Vão passar pelo Freeport, que aparece do lado direito, continuando em frente.

Depois de passarem por uma bomba de combustível, vão ver a Estrada das Hortas à direita, seguindo-se nessa direcção. A indicação é a que se vê na foto anterior.

Depois é seguir sempre em frente até se chegar à zona que se vê na foto anterior, situada do lado esquerdo. Nesse local há uns eucaliptos à direita e a seta a indicar o "Sítio das Hortas".
Atenção: antes há um outro espaço do lado direito da estrada, que devem ignorar e seguir sempre em frente.
Quem vier por estradas nacionais da zona do Montijo, tem de passar por Alcochete e seguir em direcção ao Freeport. Pouco depois de passarem pela zona do estádio António Almeida Correia, têm de cortar à esquerda para a Estrada da Hortas.

Depois é só procurarem por nós, que lá estaremos junto de uma mesa.
Boa viagem!

Continue lendo...

2018/10/26

Jipe UMM A4 na 26.ª Automobilia de Aveiro / 2018 (2/2)


Numa festa de aniversário - os 12 anos de actividade do blogue Rodas de Viriato - gostamos de publicar material ainda mais especial.
Por esse motivo divulgamos imagens do jipe UMM A4, dando especial atenção ao seu interior, pois esta parte é muitas vezes esquecida e, tal como o exterior, também ela foi pensada.

Sendo um protótipo, é natural que vejamos nele algumas diferenças em elementos como o emblema colocada na grelha da frente, estando a seta do emblema dentro de uma circunferência e não dentro do "quadrado" de cantos arredondados.

Se em versões anteriores dos jipes UMM o interior era de aspecto mais espartano, simples e funcional, no UMM A4 nota-se que houve o cuidado de pensar onde ficavam os diferentes elementos, de forma equilibrada e como se fosse um todo.

E isto sem ter de romper com o conceito anterior. Na parte de cima do tablier continuamos a ter espaços para colocar pequenos objectos, papéis ou mapas, bem como a pega para o pendura se poder agarrar quando necessário.

A zona entre os bancos também foi pensada, os manípulos das mudanças estão integrados nesta parte, juntamente com o rádio, com leitor de cassetes (lembrem-se que este modelo é de início de anos 90).

A UMM fez este protótipo a pensar na versão comercial do jipe, tendo uma grelha a separar a zona do condutor, da zona da caixa de carga.

Continue lendo...

2018/10/25

Moto Casal K272 da Polícia de Segurança Pública - 26.ª Automobilia de Aveiro / 2018


Sabe bem fazer publicações mais especiais quando comemoramos os 12 anos de actividade do blogue Rodas de Viriato.
E continuamos a busca por modelos pouco conhecidos, ou até mesmo desconhecidos, pelo que aqui divulgamos uma moto da Casal, que tem um motor Casal M 242, com 150 cc e 14,5 cv de potência, fabricado em 1975, na Metalurgia Casal, S.A.R.L., em Aveiro.

Do que consta, estamos perante um exemplar único, um protótipo denominado Casal K 272. Como se isso não bastasse, esta com pintura da PSP, o que o torna ainda mais único.
Este modelo iria ser lançado com o primeiro motor Casal 150 cc, e do que se diz, por falta de apoios e autorização do estado não foi para a frente, sendo então doado à Polícia de Segurança Pública, por esta entidade estar isenta de matriculas.

Esta Casal K272 engrenou nesta instituição e foi afecta à instrução na Escola Prática de Polícia, em Torres Novas, onde era utilizada para provas de perícia, por ter um motor mais potente que as outras motorizadas, servindo, por exemplo, para o salto de arco em fogo.
Quando a instrução das motas acabou em Torres Novas, ali ficou abandonada.

É nesta altura que Pedro Gonçalves (de quem já aqui divulgámos uma bicicleta Vilar Speed VI e a quem agradecemos as informações que aqui divulgamos!) entrou na PSP e faz o seu curso em Torres Novas. Como era aficionado em motorizadas nacionais, ficou admirado ao ver este modelo da Casal - que nunca tinha visto e ainda por cima com um ar bem robusto para uma "motorizada" Casal.

Passados uns anos de estar na PSP e assim que teve oportunidade, voltou a Torres Novas para reaver este modelo que lhe despertara atenção. Quando pode mexer na mota Casal K 272, viu que se tratava de um modelo único, pois o número do quadro era 00001 e nunca tinha visto um motor Casal com 150 cc.

Não se conhece muito da história desta moto e até ao momento não se encontram fotos antigas dela no passado. Sabe-se que se encontra ao serviço da PSP desde os anos 70 e as restantes informações foram obtidas junto de funcionários e do dono, o senhor João Casal, da empresa Metalurgia Casal.

Entretanto a moto Casal K272 recebeu um restauro e foi exposta na 26.ª Automobilia de Aveiro / 2018.
Se algum dos nossos leitores tiver mais informações sobre este modelo, ou fotos antigas com ela, por favor envie-nos um e-mail.

Continue lendo...

2018/10/24

Alfinete de lapela da Cicles Vigosil - Casa Sport / 12.º aniversário Rodas de Viriato


E assim continuamos a assinalar os 12 anos de actividade do blogue Rodas de Viriato.
12 anos depois de começarmos esta caminhada, continuamos a inventariar marcas no blogue, o que prova que as marcas ligadas a veículos nacionais são mais que muitas,. E têm muito por contar!
Este alfinete de lapela é da Cicles Vigosil - Casa Sport, que se localiza em Araújo, em Leça da Balio.

A Vigosil é uma marca de Manuel Vicente Gomes de Silva, anterior à II Guerra Mundial, tendo sido fundada pelo seu pai em 1938, com apenas 21 anos de idade. Vendeu ciclomotores com motor Alpino, bem como motorizadas e bicicletas, para além dos pneus Vredestein. Tinha como símbolo um leão e em pé, visto lateralmente.
Neste alfinete de lapela aparece um felino a andar de bicicleta.

"Visite a Vigosil - Que é a melhor entre mil"
Um obrigado ao Hugo Cardoso pela reportagem que ajuda a perceber melhor a história desta marca.

Continue lendo...

2018/10/23

Pin "Balloon Star Club" com jipe UMM - 12.º aniversário Rodas de Viriato


Continuamos a assinalar os 12 anos de actividade diária do blogue Rodas de Viriato.
E continuamos com a frescura dos primeiros tempos, tentando trazer novidades desconhecidas da maioria dos entusiastas de veículos fabricados em Portugal.
Hoje divulgamos um pin antigo de uma empresa de balonismo na Tunísia, a Balloon Star Club, que incluiu um jipe UMM Alter visto de frente, neste brinde publicitário.

É verdade, o jipe UMM foi feito para ir muito longe e isto prova isso literalmente!
Se os veículos todo-o-terreno da UMM ligaram Macau a Lisboa por terra, se foram de Paris até Dakar, porque é que não seriam o veículo usado para ir buscar os participantes destas aventuras pelos céus da Tunísia?
Deduzimos que com a inclusão deste elemento na imagem, o potencial cliente sabia que haveria um veículo todo-o-terreno que o iria buscar onde o balão de ar quente o deixasse (os balões de ar quente voam ao sabor do vento...).

No verso o pin tem as letras "JCC".
Venham ao "Doze Dedos de Conversa" e saibam mais sobre os pins com jipes UMM!

Continue lendo...

2018/10/22

Imagem antiga Famel com motor Famel de 2 1/4 cv. - 12.º aniversário Rodas de Viriato


Hoje completam-se 12 anos de Rodas de Viriato, com publicações todos os dias!
É assim amigos!
O Rodas de Viriato chegou aos 12 anos de idade e hoje é dia de festa!
E como acontece em algumas festas de aniversário, em que o aniversariante bebe uns copos de álcool a mais, faz figuras tristes e diz coisas insignificantes da sua vida, também nós aproveitamos para fazer figuras tristes nesta data. Afinal hoje tudo nos é permitido!
Chegamos a esta bela idade e sentimos a obrigação de sermos maiores de idade.
Sim, ao longo destes 12 anos de trabalho diário tentámos seguir (alguns) princípios como:
- Publicar material novo, tentado sempre acrescentar algo ao que já existe na Internet.
- Respeitar o leitor, partindo do princípio de que é um ser inteligente e com sentido crítico.
- Proporcionar livre acesso a informações, imagens e documentos.
- Dar o melhor de nós mesmos, mesmo que isso implique deixar os interesses pessoais para trás.
- (...)

Mas.. E, como dizia o outro, há sempre um mas... E é por isso que divulgamos esta imagem cheia de referências ao blogue Rodas de Viriato, por cima de uma fotografia de um ciclomotor antigo Famel, com motor Famel de 2 1/4 cv de potência, de fabrico inteiramente nacional (muito provavelmente uma versão do motor Pachancho, produzido por encomenda para a Famel). Temos de nos fazer um homem de barba rija.
E isto acontece porque vemos as nossas imagens a serem usadas por todo o lado (sinal de que somos bons no que fazemos!), mas sem que haja qualquer respeito pelo que pedimos, a quem precisar das imagens:
"Na Internet ou noutro meio digital, incluir referência à fonte "Rodas de Viriato" e um link para o blogue".
E o pior é que quando abordamos quem usa as imagens (muitas vezes cortando ou apagando a referência "Rodas de Viriato"), somos mal recebidos. Ou então somos tratados como se nós é que estivéssemos a agir mal, muitas vezes com um tom de que estamos a chatear.
E muitas vezes esta situação passa-se com pessoas ligadas ao mundo dos veículos antigos (e que usam as imagens para lucro próprio), ou ligadas ao mundo da criatividade / direitos de autor (que ironicamente ficam possessos quando alguém usa algo criado por si!). Será que a sua visão tão larga, não percebe que se o Rodas de Viriato conseguir fazer melhor o seu trabalho, só têm a ganhar com isso?

Agora pergunta-se: o que é que se faz?
Uma das soluções é os homens de bem que por ai há, quando percebem que alguém usa uma foto de outro, faz uma chamada de atenção à pessoa. Sendo um acto socialmente reprovado, serão menos os que o fazem.
Outra solução é passarmos a ter as imagens deste blogue cheias de referências, como a que hoje divulgamos, e quem dela precisar terá de pagar uma notinha de 50 euros (éramos para pedir 10 euros, mas caímos em nós a tempo, e pensámos à homem, à valente - daqueles que conseguem ir a algum lado na vida...) e a imagem poderá ser vendida sem ter tanto espaço ocupado pelo crédito do local onde foi publicada.
É só escolherem o que preferem.

Com a sorte que temos, durante a comemoração deste 12.º aniversário do Rodas de Viriato, achamos que ainda vamos ter o presente de algum artista, que vai editar a imagem digitalmente, perdendo umas 5 horas de trabalho (que têm um custo de 80 euros), só para não ter de pedir a foto original... Desculpem, só para não ter de pagar pela imagem (fod*-**, ainda não nos habituámos à ideia de cobrar pelas coisas!) para depois usarem de modo a ganhar dinheiro.

A terminar:
Obrigado a todos aqueles(as) que ajudaram a que chegássemos aqui. O futuro será melhor e com fotos cheias de referências.
Entretanto apareçam na comemoração dos 12 anos do RDV!
É verdade, a fotografia da Famel, com motor famel, foi publicada em 1955!

Continue lendo...