2018/07/31

Reportagem da 26.ª Automobilia de Aveiro / 2018 (2/2)


No seguimento da publicação da 1.ª parte da reportagem da 26.ª Automobilia de Aveiro / 2018, aqui fica a continuação do que vimos neste evento, desta vez focando o que é escrito de forma abrangente nos veículos de fabrico nacional.

Começamos por dizer que quem visitasse a 26.ª Automobilia de Aveiro / 2018 e fosse estrangeiro ou pouco soubesse de veículos fabricados em Portugal, sairia do local com conhecimentos muito completos sobre a temática.

E até poderia ver exemplares que não são fáceis de encontrar, como uma motorizada EFS ou um jipe UMM da GNR, junto de um camião militar Berliet Tramagal usado na guerra em África.

E não nos podemos esquecer da moto Casal K272, da PSP - Polícia de segurança Pública, equipada com motor Casal de 150 cc. Este modelo despertou muita curiosidade, pois era desconhecido da maioria dos visitantes.

Ainda no que respeita às duas rodas, os visitantes podiam ver muitas motorizadas de fabrico nacional de diferentes marcas, tipos e épocas. Na sua maioria para venda, restauradas e para restaurar, a única limitação seria a do dinheiro disponível para as comprar.

Da scooter Casal Carina, a uma Confersil 604 GT 6V ou uma Confersil Enduro 50, passando por uma  motorizada Clipper dos anos 60, ou uma famel XF 17, não faltava que ver e que comprar.

Não esquecendo o mercados de peças para motorizadas e bicicletas antigas, quem estivesse mais atento acabava por encontrar mais algumas marcas que ainda não conhecia ou das quais ouviu falar pouco, como seja o caso das motorizadas Dervik, de São João da Madeira, ou das motorizadas Bliss.

Passando para os automóveis, nesta edição da Automobilia de Aveiro havia uma exposição que nos permitia perceber a evolução dos automóveis fabricados em Portugal. Uma das exposições tinha esta temática, permitindo ver o percurso ao longo dos tempos, desde o Edfor Grand Sport, passando pelo IPA 300 e pelos desportivos MarleiAlba e Olda...

Até chegar a tempos mais recentes, estando expostas 3 gerações de jipes UMM e um jipe Portaro; os  microcarros Sado 550; os descapotáveis Mirelli que tinham como base os Renault 4 e dois desportivos Vinci GT.

Ainda no que respeita aos jipes UMM, a marca estava representada pelo Clube UMM, onde era possível ver duas versões de competição e por duas empresas que tinham peças novas e usadas para UMM disponíveis para venda.

No espaço exterior era possível ver 3 autocarros antigos fabricados em Portugal, sendo dois de marca UTIC e outro Salvador Caetano. Neste tipo de veículo assistimos a um entusiasmo que poderá marcar um ponto de viragem no que respeita à conservação, manutenção e utilização de autocarros clássicos em Portugal.

Entretanto já estamos a pensar na 27.ª Automobilia de Aveiro / 2019 e enquanto ela não chega, iremos divulgar de forma individual os veículos nacionais que vimos neste evento.

seja o primeiro a comentar!

Enviar um comentário