2009/10/08

Jipe "Portaro 84" - Fotografia de protótipo


Na revista Turbo n.º 30, datada de 1984, apareceu esta fotografia da evolução que estava prevista para o jipe Portaro.
No texto que acompanhava esta fotografia era dito esta era uma versão modificada do Portaro que iria ser colocada à venda no mercado nacional.
As maiores alterações registavam-se ao nível da carroçaria, que passava a ser em chapa a direito, como no UMM (e na Datsun Sado, e na GM Amigo, e nos Berliet Tramagal...).
É ainda referido que o produtor, a Garagem Vitória, não excluía a hipótese de fazer uma remodelação mais profunda (estando esta dependente de negociações para renovação substancial dos seus processos de fabrico).
Em relação à mecânica, seria a já disponível anteriormente, com motor Daihatsu Diesel de 2,5 litros ou Volvo a gasolina.
Quando comparado com outros documentos públicos, este protótipo Portaro não é mais do que a versão civil da proposta militar feita em 1983 (que já aqui mostrámos). A nível exterior tem guarda-lamas proeminentes, como acontecia no UMM Alter e no interior parece ter bancos diferentes.
Já comparando esta fotografia com a que foi recentemente publicada na mesma revista (ver: recorte de revista, via blogue Portaro 320 Campina 1979), notam-se algumas diferenças: ausência do símbolo Portaro no capot, remoção dos grampos do capot, diferente arranjo cromático na grelha, pintura diferente nos espelhos retrovisores e nas jantes (as que estavam no exemplar da imagem, tinham a pintura característica dos Portaro).
É pena que esta versão não tivesse sido produzida. Para além de todos os motivos imaginados, permitiria à Portaro afastar-se do visual "Aro" e conferir um toque mais nacional ao jipe.
Mas temos este exemplar conservado e com matrícula atribuída, o que já é qualquer coisa!

1 comentário

Anónimo disse...

Cheguei a conduzir este "protótipo", muito mais confortável que o Portaro "de base" no Aeroporto de Lisboa, onde o, na altura, proprietário da Garagem Vitória tinha uma companhia de aviação. Ficou para a minha "pequena" estória o facto de ter conduzido um exemplar único de veículo e ainda por cima, nacional
Renato

Enviar um comentário