2017/04/29

Salão Motorclássico 2017 - Balanço (1/2)


Faz agora uma semana que decorreu em Lisboa o Motorclássico 2017 - Salão Internacional de Veículos Clássicos, um dos eventos do panorama nacional relacionado com o mundo dos veículos antigos. E no próximo mês haverá outro, a 25.ª Automobilia de Aveiro.

Para facilitar o balanço que fazemos do que vimos, repartimos este em duas partes, sendo esta mais virada para os veículos fabricados em Portugal.
A primeira apreciação que fazemos de todo o Motorclássico 2017 é que havia mais tranquilidade e calma, pois a data escolhida não coincidia com outros certames também relacionados com veículos e que se realizavam nos pavilhões anexos, como já aconteceu em anos anteriores.

O programa oficial não contemplava nenhum evento relacionado com os automóveis, motos ou motorizadas fabricados em Portugal, ainda assim estavam bem representados em diversos e diferentes exemplares expostos.

Logo na entrada era possível ver um automóvel descapotável Citroen AX BB Cabrio GT em exposição, junto de um Citroen Mehari. Este Citroen AX BB Cabrio GT tinha a parte do motor à vista, sendo possível ver a chapa que a AG Engineering colocava nos automóveis que transformava.

Os jipes UMM como já vem sendo tradição estavam representados no espaço do Clube UMM, onde era possível ver um UMM Alter Troféu, bem como um UMM Cournil que estava meio restaurado, meio por restaurar, e que evocava o UMM Cournil V6 que em 1983 se classificou na 3.ª posição no 24 H Mauleon.

No que diz respeito aos pesos pesados nacionais, estavam representados por um blindado Chaimite no espaço da Associação Portuguesa de Veículos Militares. Era possível ver o interior deste exemplar, situação que não acontece com frequência.

No que diz respeito aos coleccionáveis e material evocativo das marcas nacionais, a oferta também era grande e variada. Por uma lado tínhamos a Archivo com as t-shirts, aventais e outros artigos, onde podíamos ver estampagens de Sado 550, do Alba, da Famel XF17 ou da SIS Sachs V5, entre outras.
Numa outra banca era possível ver emblemas bordados de várias marcas nacionais... Casal, Famel, Vilar, Fundador, Confersil, EFS, Macal, muitos deles com diferentes formas e cores.

No leilão realizado no Motorclássico 2017 também se encontravam elementos de automobilia nacional, como uma poster / cartaz de publicidade aos pneus da Mabor ou uma bicicleta de corrida Jasma.

E não podemos terminar o balanço que fazemos deste evento sem falar nas aguarelas de Yoshiharu Miyakawa, onde os automóveis antigos são o tema central para a criação de obras de arte. Os jipes UMM e Portaro são alguns dos veículos já fixados a tinta sobre o papel.

seja o primeiro a comentar!

Enviar um comentário