2013/07/17

Visita às motorizadas de André Ricardo


Recebemos um convite para visitar as motorizadas que André Ricardo tem na sua garagem.
Para além de sermos bem acolhidos perto do Cartaxo, recebemos muita documentação sobre máquinas de duas rodas nacionais, situações que agradecemos publicamente pois ajudará a esclarecer um pouco melhor o assunto!

Enquanto não colocamos on-line os panfletos, folhetos, facturas, etc... aproveitamos para publicar uma série de fotografias com as motorizadas que vimos.

Na sua maioria são motorizadas nacionais, tendo várias que podem servir de base para um restauro, ou como dadoras de peças.
Entre elas destaca-se uma scooter Casal Carina ou K 170...

Esta DC - Domingos Casal, de Aveiro...

Mas também havia Famel...

E esta motorizada de marca Douro... Que aparenta ser uma Macal.

Uma SIS Sachs...

Uma Vilar (?) e uma Famel XF 17 em segundo plano...

Pelo meio encontrámos algumas motorizadas com marcas de agentes, como uma motorizada de marca Voadora, de Silvério Almeida Ramos, de Calvão - Vagos.

Uma motorizada de marca Talacha... Que seria a marca da oficina de onde veio este material.

E esta motorizada Anseve com um emblema bem curioso.

As motorizadas em questão, bem como muitas peças novas e usadas que aqui não mostrámos, estão para venda, sendo possível comprar lote ou à peça.
Para mais informações podem usar o e-mail andrericardo1999@gmail.com ou o telefone 965044223.

3 Comentários

Anónimo disse...

Boa noite:
Só uma pequena correção. Nas fotos seis e sete o que se vê não é a chapa, nem o autocolante, da marca da motorizada, mas sim da Companhia de Seguros Douro.
Cumprimentos.
Carlos Couceiro

J.B. disse...

Boa noite Carlos!

É verdade, mas não é estranho a motorizada ter uma chapa e um decalque da marca? Seria de algum agente de seguros e a motorizada tinha uma decoração especial?

Obrigado e cumprimentos.

JB

Anónimo disse...

Olá João:
Olha, eu não acho estranho. E vou dizer porquê. Antigamente quando se fazia um seguro de um automóvel, de uma casa, e, já mais recentemente, de uma motorizada ou moto, os agentes de seguros ofereciam estes tipos de "brindes" publicitários que os segurados depois colocavam nos veículos, nas paredes exteriores das habitações... isto era uma forma de publicidade, e concerteza já deves ter visto muitas motorizadas com chapas das companhias de seguros, que os proprietários colocavam onde lhes apetecia. Ainda hoje estas companhias oferecem o autocolante, onde nós coloca-mos o selo que destacamos da carta verde, com publicidade às mesmas. Por outro lado, além das chapas, mais recentemente também existiam os autocolantes (ou decalques) e este deve ser o caso da combinação das duas situações - colocação na mala da chapa de rebitar e no depósito o autocolante. Mas, há um pormenor, são muito raras as marcas que colocam o seu emblemas -de chapa ou autocolante- na zona do depósito onde encosta a parte interior das coxas, pois além de ser uma zona vulnerável -sujeita a grande desgaste- também tapa a visivilidade dos mesmos, quando o veículo vai em andamento.
Esta é a explicação que eu encontro, mas concerteza deve haver alguém dentro deste ramo dos seguros mais habilitado para falar sobre este assunto.
Cumprimentos.
Carlos Couceiro

Enviar um comentário